quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Sonho, voo e liberdade


Por: Helciane Angélica


O sol ainda estava preguiçoso, despertei após um sonho leve e só restou a sensação de felicidade.

Dificilmente, a gente consegue recordar com riqueza de detalhes as etapas de um sonho, muito menos reproduzir diálogos na íntegra ou descrever as características de um rosto.

Era um pássaro preto, com uma plumagem amarela na lateral, pequeno e veloz conseguiu escapulir da gaiola. Apesar da sua fragilidade, rompeu seus obstáculos, bicou as grades e esperou o momento certo para fugir.

Parecia bem real... pude sentir o vento na minha pele, diante dos rodopios rasantes; o cântico ainda ecoa nos meus ouvidos; e a alegria era perceptível, pulava de galho em galho.

Restou a dúvida: a pequenina ave, seria eu?

É o jeito pesquisar nos sites do gênero, o significado do sonho:


http://enigmadossonhos.blogspot.com.br
Sonhar com pássaro preto: Geralmente sonhar com pássaro preto significa uma entidade do mal na área das emoções e da lógica. As pessoas atacadas por esta ave apresentam um quadro de depressão e alguns chegam até a insanidade. Ele destrói toda a boa energia das emoções da pessoa alvo de seu ataque causando grande confusão em sua mente".
Sonhar com pássaro em gaiola ou preso: É um aviso de que você passará por situações que o deixarão desgostoso. Você deve ser forte para enfrentar o que está por vir, já que tudo vem e tudo passa. Cuidado ao assinar contratos, papéis.

Sonhar com pássaro voando ou cantando: Se você sonhou com pássaro cantando ou voando, isso significa que você terá alegria em sua vida, muita harmonia, equilíbrio espiritual e amor. Pássaros cantando ou voando simbolizam o lado ensolarado da vida, anunciando que você vai experimentar liberação psíquica de algo que está lhe atormentando, conseguindo assim manter a sua condição de espírito livre.

Ver um pássaro fugindo em sonho: Indica que haverá uma ruptura em sua vida, podendo tanto ser no lado amoroso quanto no profissional, mas que seguirá uma nova orientação que poderá ser muito melhor para sua vida.

Ver gaiola vazia em sonho: Também indica decepções, alguma perda, algo que fará você sofrer. Se o sonho é um aviso, esteja prevenido para não se deixar abater.

Sonhar com pássaro em liberdade: É o anúncio de que você encontrará uma nova paixão, um novo amor.


Sonhar com Melro-preto: Quando o sonhador vê qualquer tipo de pássaro preto, que representa o infortúnio e falhas no futuro. No entanto, nenhum dos problemas e situações desconfortáveis ​​que você vai ter, vai durar apenas temporariamente período de tempo. O sonho também simboliza sua preguiça ao lidar com os rigores que você tem. De qualquer forma, não há dúvidas sobre sua capacidade de ser uma pessoa produtiva, mas a única razão de suas possíveis falhas é a sua negligência. Você tem que fazê-lo melhor do que realmente é. Alternativamente, o pássaro preto simboliza misericórdia, mas só quando você vê-lo voar. Normalmente, as aves representam felicidade, alegria e vida boa e só quando o pássaro é preto ou morto que defende decepções e infelicidade.



terça-feira, 27 de outubro de 2015

ENEM e conscientização social

Há sete anos, foi criado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com o objetivo de avaliar o desempenho do estudante ao fim da educação básica, buscando contribuir para a melhoria da qualidade desse nível de escolaridade. Em 2009, começou a ser utilizado como mecanismo de seleção para o ingresso no ensino superior e substituiu o vestibular em muitas instituições, e também, passou a ser utilizado para o acesso a programas oferecidos pelo Governo Federal.

O conteúdo da prova abrange quatro áreas do conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias (Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Literatura, Artes, Educação Física e Tecnologias da Informação); Matemática e suas tecnologias; Ciências da Natureza e suas tecnologias (Química, Física e Biologia); Ciências Humanas e suas tecnologias (conteúdos de Geografia, História, Filosofia, Sociologia e conhecimentos gerais).

No último domingo (25.10), o tema da redação do Enem 2015 foi "a persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira", que obteve uma grande repercussão nas redes sociais e a proliferação de reações preconceituosas, a reprodução de pensamentos machistas e a utilização de hashtag como: #doutrinaçãofeminista #feminazi #enemfeminista.

Para Maria da Penha Maia Fernandes, 70 anos, a ativista que inspirou a criação da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006, que cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher), o tema da redação foi extremamente importante. "Fiquei feliz, o tema realmente está na boca do povo agora. Plantou uma semente", explicou a farmacêutica cearense, que em 1983 ficou paraplégica após o seu marido tentar assassiná-la com um tiro nas costas, enquanto ela dormia. O agressor foi condenado, mas foi solto depois de cumprir parte da pena. Hoje está livre.

O tema é extremamente pertinente e factual, trata-se de uma chaga social presente nas cinco regiões brasileiras, independente da classe social, faixa etária, cor, religião e estética. A violência é avassaladora, destrói famílias e a autoestima... deve ser sempre denunciada e punida! 

Muitas mulheres perdem a sua dignidade diante das diversas formas de violência (física, psicológica, moral, sexual, patrimonial, cárcere privado e até tráfico de pessoas), e outras, terminam sendo barbaramente assassinadas, após violência ou abuso sexual, ou até mesmo quando há uma relação de afeto ou de parentesco entre a vítima e o agressor (namorado, marido, pai, padrasto, etc). O ato de perseguição e morte intencional de pessoas do sexo feminino, possui o termo técnico de Feminicídio, e é classificado como um crime hediondo no Brasil.

O tema estimulou a reflexão sobre as políticas públicas, o principal desafio é romper com o silêncio conivente impregnado em nosso cotidiano; e esperamos que contribua para a intervenção sociopolítica em busca de igualdade, respeito e justiça social.


Fonte: Coluna Axé – 364ª edição – Jornal Tribuna Independente (27/10 a 02/11/15) / COJIRA-AL / Editora: Helciane Angélica / Contato: cojira.al@gmail.com

sábado, 24 de outubro de 2015

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Kizomba das Mulheres Negras

O Comitê Impulsor da Marcha das Mulheres Negras no Estado de Alagoas está organizando a “Kizomba das Mulheres Negras”, que acontecerá no dia 28 de outubro, a partir das 18h, na Orákulo Chopperia no bairro do Jaraguá em Maceió. O evento busca aliar entretenimento, conscientização e valorização da cultura afro; além de arrecadar recursos para garantir a presença das alagoanas na mobilização nacional.

Dentre as atrações estarão: Afoxé Povo De Exú, Coletivo Afro Caeté, Afoxé Oju Omim Omorewá, Banda Afro Mandela, Banda Afro Zumbi, Banda Afro Afoxé, Grupo Segura O Coco, Mel Nascimento & Malacada, Grupo Cadência; além de Igbonan Rocha & Samba de Nêgo com as participações especiais de Luana Costa, Carla Araújo, Ismair Martins e Janaina Martins.

O ingresso custa R$20, pode ser adquirido na bilheteria da casa de shows ou antecipadamente com os organizadores e/ou na sala do Núcleo de Estudos Afro Brasileiros da Universidade Federal de Alagoas (Neab - Ufal) localizado no Espaço Cultural em frente à Praça Sinimbu. Contatos: (82) 99982-8377 / 98854-7758 / 99999-1301.

As mulheres negras são 49 milhões e representam 25% da população brasileira, são chefes de família, lutam cotidianamente por condições dignas para a sobrevivência, equiparação salarial, combate ao racismo e sexismo que acometem sua autoestima, produtividade e convivência social. 

No dia 18 de novembro, no Distrito Federal, centenas de mulheres de todo o Brasil estarão marchando para destacar o combate ao Racismo e a Violência e pelo Bem Viver. Sem dúvidas, será um marco nacional e internacional, integrará o mês da consciência negra e estimulará a reflexão sobre gênero e etnia.

Leia o manifesto e obtenha outras informações no site: http://www.marchadasmulheresnegras.com/


Fonte: Coluna Axé – 363ª edição – Jornal Tribuna Independente (20 a 26/10/15) / COJIRA-AL / Editora: Helciane Angélica / Contato: cojira.al@gmail.com

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Reforma e unificação

A presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, oficializou na última sexta-feira (02.10) uma ampla reforma administrativa do governo federal, com o argumento de que contribuirá para as melhorias na gestão pública, elevar a competitividade do País e continuar assegurando a igualdade de oportunidade aos cidadãos.

Dentre as medidas anunciadas, estiveram: a redução de 8 ministérios e 30 secretarias nacionais; o corte de 3 mil cargos comissionados; a redução em 20% dos gastos de custeio e de contratação de serviços de terceiros; e a redução em 10% do salário da própria presidenta, do vice-presidente e dos ministros de Estado. Também ocorreu o comprometimento em rever todos os contratos de aluguel e de prestação de serviços como vigilância, segurança e Tecnologia da Informação, assim como a utilização de todo o patrimônio da União.

Na posse dos novos ministros, Dilma ressaltou: "São muitas tarefas, mas tenho certeza que esse novo time vai executar com excelência e dedicação. Desejo boa sorte, bom trabalho e recomendo a todos muita dedicação, pois temos um Brasil para governar até 2018".

Com as mudanças, foi criado o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, na verdade, foram unificadas as secretarias de Políticas paras as Mulheres (SPM), da Promoção da Igualdade Racial (Seppir), de Direitos Humanos e de Juventude. No comando, estará Nilma Lino Gomes: Pedagoga, mestra em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), doutora em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutora em Sociologia pela Universidade de Coimbra, e pesquisadora das áreas de Educação e Diversidade Étnico-racial, com ênfase especial na atuação do movimento negro brasileiro.

Para Nilma, a reforma anunciada não traz ruptura ou descontinuidade para o governo, mas o aprimoramento do que já tem sido feito. “Esse ministério é um grande desafio, é uma organização nova. Nós pretendemos dar continuidade e integrar políticas de promoção de igualdade racial, as políticas voltadas para as mulheres, para os direitos humanos. Queremos dialogar com a sociedade para que possamos trabalhar de forma cada vez mais integrada e que isso possa fortalecer as políticas que já vem acontecendo, além de sermos criativos de forma a construirmos novas políticas”, afirmou.

Porém, o Movimento Social Negro avalia que a supressão da Seppir representa um grande retrocesso para a população negra, que corresponde mais de 50% do total dos brasileiros e brasileiras. Nos últimos 12 anos, as políticas de promoção da igualdade racial tiveram avanços expressivos para os diversos grupos étnicos existentes no Brasil, com o fortalecimento das cotas raciais e sociais; criação dos conselhos municipais e estaduais; aprovação do Estatuto da Igualdade Racial e a visibilidade do combate ao racismo.

É preciso seguir em frente, os discursos tem que dar lugar à prática, propiciar uma política de Estado eficiente! Axé!

Com informações do Blog do Planalto e Portal da Igualdade Racial
Fonte: Coluna Axé – 362ª edição – Jornal Tribuna Independente (06 a 12/10/15) / COJIRA-AL / Editora: Helciane Angélica / Contato: cojira.al@gmail.com